Domingo, 12 de Julho de 2015

um não-assunto

Em casa dos meus pais havia vários destes: não se falava de sexo, não se questionava a religião, não se dizia palavrões e, apesar de o ambiente familiar ser descontraído, havia várias coisas que eram mesmo tabu. Eu, que sempre fui do contra, ainda fiz umas tentativas mas, invariavelmente, a resposta era o silêncio.

Assim sendo, acabei por ir pregar para outra freguesia e encontrar nos amigos o espaço para falar de tudo {achava eu...}. Por isso, sempre fui a favor de falar, falar pelos cotovelos, a conversar é que a gente se entende! E foi esse o ambiente que criei com o R. cá em casa.

Mas a maternidade veio mostrar-me que há coisas das quais não se fala. Nem entre amigos. Não sem os massacrares. E é parvo, porque as pessoas sofrem em silêncio. E eu {sempre do contra} lá consegui chatear toda a gente até obter as minhas respostas.

Quando a M. nasceu passei mal. Muito mal mesmo. Não fisicamente, mas tinha a cabeça feita num oito e passava muito tempo a chorar. Angustiada. E sem saber muito bem porquê. Ou melhor, eu sabia que era hormonal mas nunca ninguém, nem as amigas mais próximas, me tinham falado nisso.

Houve uma tarde em que me senti mesmo mal. Deixei a M. com a avó e convoquei um lanche de urgência com algumas amigas, todas elas mães. Entre cafés, cigarros e lágrimas lá comecei a debitar as minhas desgraças: que estava triste, deprimida, só me apetecia chorar, etc, etc, etc. Então, aquelas amigas, mães, que conheço desde sempre, começaram a partilhar a sua experiência e percebi que todas, sem excepção, tinham estado ali onde eu estava agora. E todas tinham ficado caladas, endeusando o estado do pós-parto, como se fosse a melhor coisa do mundo. E não é!! É duro, é difícil e é complicado. Claro que depois passa e ter um bebé em casa é uma enorme felicidade. Mas não é imediato! E não percebo porque é que ninguém fala nisso. Fala-se nas depressões pós-parto, mas isso é um diagnóstico médico. Para quem só está triste e a tentar lidar com a nova realidade há um enorme silêncio, até mesmo de quem gosta de nós. E está errado.

Trazer um bebé para casa é um enorme desafio. E não faz mal estar triste. Só faz mal se não se falar nisso.

 

publicado por daily às 15:23

link do post | comentar | favorito
|

.now

. pensamento do dia

. um não-assunto

. pensamento do dia

. qual é a cor da inveja?

. espelho meu...

. pensamento do dia

. tenho tantas...

. welcome to hell!

. i just want to drink coff...

. why, God?! why?!

.other days

. Julho 2015

. Junho 2015

. Julho 2014

. Junho 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.pegadas

Website counter

.às quantas ando...

love
cidades
queen
eat
travel